10 pontos fundamentais para reduzir a Contagem Bacteriana Total (CBT) do leite cru

A contagem bacteriana total (CBT) é um dos principais indicadores de qualidade do leite. Veja neste texto 10 passos para diminuir a CBT e melhorar a qualidade do leite produzido!
por Pedro Viegas em 12/Nov/2020

A contagem bacteriana total é um dos principais indicadores de qualidade do leite que interfere na eficiência financeira da propriedade. Por isso, reduzir a CBT deve ser uma ação prioritária na atividade leiteira!

Nesse texto você vai entender o que é CBT, como controlar, quais são os indicadores de qualidade do leite, porque eles são tão importantes e ainda verá 10 passos para manter esse índice baixo!

Por que melhorar a qualidade do leite? 

É provável que você, que está lendo esse texto, já se fez em algum momento o seguinte questionamento: Por que melhorar a qualidade do leite? 

Podemos levantar vários pontos sobre esse questionamento, como a melhoria da qualidade dos produtos finais dos laticínios e a pressão dos consumidores pela segurança alimentar dos produtos lácteos que aumenta a cada dia. 

ordenha de vaca leiteira

O que é Segurança alimentar?

Nesse raciocínio, a segurança alimentar pode ser definida como a confiança do consumidor ao comprar os produtos lácteos de uma marca para o consumo voluntário dos membros da sua família.

Este consumidor pré-estabelece no momento da compra que os produtos estarão isentos dos possíveis riscos sanitários relacionados ao alimento. 

Então, a qualidade é uma das formas que garante que o consumidor movimente o mercado lácteo.

Ao decidirem por comprar ou não o produto fabricado pelas diversas indústrias de laticínios, eles influenciam no preço do litro de leite pago ao produtor. 

A partir disso, faz-se necessário o controle dos indicadores de qualidade do leite responsáveis pelas interfaces produtor-indústria-consumidor.

Indicadores de qualidade do leite

leite sendo testado cbt

Para assegurar o controle desses indicadores de qualidade do leite, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) modificou algumas legislações.

Estas fazem menção desde o início das etapas de produção de leite cru refrigerado, pasteurizado e do tipo A até a qualidade final do produto acabado. 

Dessa forma, a partir de 2019 entraram em vigor as Instruções Normativas 76 e 77 que abordam, respectivamente, sobre os requisitos técnicos necessários para a qualidade do leite na indústria e as formas de produzir o leite com qualidade e segurança para o consumidor.

O que é CBT?

CBT é a sigla para Contagem Bacteriana Total. É um dos principais indicadores de qualidade do leite abordados nas IN 76 e IN 77, sendo muito relacionado com os cuidados de limpeza e higiene dos produtores e ordenhadores. 

Também nomeado como CPP (contagem padrão em placas) ou UFC (unidades formadoras de colônias), este indicador diz respeito ao número de bactérias presentes no leite produzido e armazenado.

Vários fatores têm grande influência na CBT, como a higiene durante os procedimentos da rotina de ordenha, a limpeza e manutenção dos equipamentos, o resfriamento do leite e a qualidade da água utilizada durante estes processos. 

 

10 PONTOS PARA REDUZIR A CBT NA SUA FAZENDA

Tendo isso em mente, acompanhe os 10 pontos fundamentais para reduzir a CBT no leite produzido:

leite sendo misturado

 

1- Sanitização do equipamento de ordenha: 

Antes de iniciar cada ordenha, circular no equipamento de ordenha 200 ppm de solução clorada (20 mL de Hipoclorito de Sódio 10-12% para cada 10 litros de água) ou solução de ácido peracético (30 mL de Oxiclean para cada 10 litros de água).

 Este processo deve ser feito durante 5 minutos e aguardar de 15 a 30 minutos para iniciar a ordenha dos animais (10 litros de água por conjunto de teteiras). 

 Não é necessário enxaguar.

Utilizar a mesma solução para a sanitização do tanque de expansão.

2- Pré enxágue: 

Circular água à temperatura ambiente em volume suficiente para retirar todo resíduo de leite do equipamento.

3- Limpeza com detergente alcalino clorado: 

Deve ser realizada após cada ordenha para remoção dos compostos orgânicos do leite (gordura, proteína, lactose, etc). 

 Adequar a solução de acordo com a recomendação do fabricante. 

 Para a limpeza do equipamento de ordenha, a temperatura de entrada da água deve ser 75ºC, e a solução deve circular no equipamento por 10 minutos ou até que a água atinja 40ºC (10 litros de água por conjunto de teteiras). 

 Para a limpeza do tanque de expansão, pode ser usado o detergente alcalino clorado ou detergente espumante neutro próprio para tanque. 

 Nesse caso é importante a formação de bastante espuma através da escovação manual para retirada dos compostos orgânicos do leite.

4- Enxágue entre detergentes: 

Circular água na temperatura ambiente em volume suficiente para remover os resíduos da etapa anterior.

5- Limpeza com detergente ácido: 

Deve ser realizada pelo menos 2 dias na semana, em uma das ordenhas, para remoção dos compostos inorgânicos do leite. Adequar a solução de acordo com a recomendação do fabricante. 

Para a limpeza do equipamento de ordenha a água deve estar na temperatura ambiente e a solução deve circular no equipamento por 5 minutos (10 litros de água por conjunto de teteiras). Não é necessário enxaguar.

 Para a limpeza do tanque de expansão é necessário borrifar a solução em toda superfície interna do equipamento.

6- Limpeza de tubulações e demais partes do equipamento de ordenha:

 Os equipamentos devem ser desmontados pelo menos uma vez na semana, para identificar necessidade de limpeza, inclusive as tubulações de leite e vácuo.

7- Manutenção do equipamento de ordenha: 

Trocar conjunto de mangueiras de leite a cada 6 meses, mangueiras curtas e longas do vácuo anualmente e realizar a troca das teteiras a cada 6 meses ou quando completar 2500 ordenhas. 

 Verificar e realizar a manutenção dos pulsadores de modo que a pulsação mensurada seja 60 bpm. Verificar sempre os níveis de óleo e integridade das correias do motor.

8- Limpeza do tanque de expansão: 

Após o término da limpeza do tanque de expansão, é necessário fechar a tampa e deixar o registro de saída aberto para drenar as soluções.

 Não é recomendado entrar no tanque para realizar a limpeza.

9- Manutenção do tanque de expansão: 

Verificar se a temperatura do leite armazenado no tanque está atingindo 4°C em no máximo 3 horas após o término da ordenha.

 Associado a isso, verificar se a temperatura do leite armazenado está igual a temperatura registrada no termostato. 

 Caso contrário é necessário contratar a assistência técnica para verificar o funcionamento geral do tanque. 

10- Análise da qualidade da água: 

Realizar a análise físico química da água utilizada para limpeza do equipamento de ordenha e tanque de expansão para avaliar o padrão de dureza e turbidez da água.

Esta análise é necessária pois estes fatores influenciarão na quantidade dos detergentes utilizados e a análise microbiológica para avaliar o perfil dos microrganismos que podem estar presentes. 

 

A execução correta destes dez pontos juntamente com a necessidade do leite ter a CBT inferior a 300.000 UFC/mL, na média geométrica dos últimos três meses conforme estabelecido pelo MAPA, melhora a qualidade do leite fornecido aos laticínios e gera benefícios para todos os envolvidos na cadeia do leite.

Para fazer um diagnóstico completo da sua fazenda, conte a Solução Total Prodap que integra consultoria, tecnologia de gestão de fazendas e nutrição animal.

 

Sobre Pedro Viegas

Médico Veterinário formado pela UFMG, apaixonado pela melhoria da qualidade do leite e pela nutrição animal. Atualmente é Consultor de Sucesso do Cliente na Prodap e está disposto a transformar a história do leite no Brasil gerenciando fazendas e fábricas de ração.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter