Bezerras Leiteiras: boas práticas de manejo, cuidados, aleitamento e desmame

Para garantirmos uma boa vaca no futuro, os cuidados começam no bom manejo das bezerras! Saiba tudo sobre as práticas de manejo, os cuidados pré e pós parto, aleitamento, desmame e muito mais!
por Aline Bernardes em 26/Jan/2021

A bezerra de hoje, é a vaca do futuro, é importante sempre ter isto em mente.

O manejo das bezerras, a alimentação, o ambiente, entre outros fatores, serão pontos determinantes para o desempenho destes animais no futuro.

bezerra leiteira

A importância de manter boas práticas de manejo de bezerras

A fisiologia e a resposta imune da bezerra já começam a ser desenvolvidos no primeiro dia de vida.

Por isso, muitas vezes não sabemos o porquê determinada vaca ter maior incidência de doenças, mas basta olharmos para trás e ver como foi o manejo deste animal enquanto bezerra.

Foi realizado o manejo adequado? Ela recebeu os cuidados ideais nas primeiras 24h de vida? O animal estava em uma instalação adequada?

Metas da criação de bezerras

Estabelecer metas e se planejar para alcança-las é fundamental para manter boas práticas de manejo dos bezerros.

É importante que se tenha como meta:

  • Minimizar a incidência de doenças e mortalidade (< 5%) nos primeiros 2 meses de vida (taxa mais alta de mortalidade de um bovino de leite está no aleitamento)

◦  Onfalopatias: <2%

◦  Diarreia: < 25% → maioria apresenta 100% dos animais com diarreia entre 3-10 dias de idade

◦  Doenças respiratórias: <10%

◦  Valores acima desses indicam falha no manejo e possibilidade de melhora

  • Medicações em menos de 10% dos animais/dia → fluidoterapia, ATB, antinflamatório
  • Dobrar o peso ao nascimento nos primeiros 60 dias de idade
  • Atingir a puberdade e maturidade sexual precocemente

◦  50% do peso adulto aos 13 meses (raças europeias)

◦  50% do peso adulto aos 15-17 meses (mestiços)

  • Ser economicamente viável

Taxa de mortalidade

A taxa de mortalidade de bezerros até 60 dias, no Brasil, está próxima de 15% ou acima disso, um número muito preocupante.

Para reduzir este problema nas fazendas, algumas ações devem ser tomadas:

  • Cura eficiente de umbigo
  • Boa colostragem nas primeiras 6 horas de vida, fornecendo 10% do peso corporal do animal
  • Diagnóstico precoce de doenças e tratamento adequado dos animais
  • Boas condições de higiene

rota de transmissão de patógenos para bezerras

Cuidados antes do nascimento

Secagem das vacas

Por volta do 7º mês, no terço final da gestação, as vacas devem passar por um manejo de secagem para interromper a lactação.

Durante esse período, acontece a regeneração das células da glândula mamária.

Veja tudo sobre Terapia da Vaca Seca: O que é, por que é importante e como secar uma vaca?

Piquete maternidade

As vacas secas devem ser mantidas em pastos ou piquetes com:

  • Sombra de pelo menos 4m²/animal;
  • Boas condições de higiene;
  • Áreas secas com boa cobertura vegetal;
  • Possibilitar a observação do parto;
  • Fácil acesso dos animais a água e alimentos;

Primeiros cuidados após o nascimento dos bezerros

Os primeiros cuidados com os bezerros começam imediatamente após o parto!

Na verdade, os primeiros cuidados iniciais são feitos já pela mãe quando ela lambe o bezerro para retirar as membranas fetais e o massageia.

Porém, ainda assim, a presença de uma pessoa preparada para acompanhar o parto e as primeiras horas de vida do animal é indispensável.

vaca recém parida com bezerro

Colostragem

O colostro é a primeira secreção que sai da glândula mamária.

Ele é rico em vitaminas (como vitamina A, E e B12) em minerais, proteínas e imunoglobulinas, que são anticorpos que integram o sistema de defesa do organismo do filhote.

É importante que a primeira mamada ocorra até 3 horas após o nascimento ou, no máximo, até 6 horas de vida, fornecendo de 10 a 12% do peso corporal.

Nos 3 primeiros dias de vida do bezerro, ofereça o colostro duas ou três vezes por dia. É importante que ele nunca seja diluído e nem misturado com leite ou sucedâneo.

Caso o colostro esteja com sangue ou seja de vacas que foram tratadas com antibióticos intramamário, não deve ser dado ao filhote.

Caso seja feito o uso do colostro congelado, é necessário aquecê-lo em banho-maria com fogo baixo até a temperatura de chegar a 37° C. Mas atenção: não deixe o colostro ferver!

Saiba mais: temos um texto completo com tudo sobre o colostro bovino, veja!

Cura do umbigo de bezerros

Nas primeiras horas após o nascimento, é necessário que se faça a cura do umbigo.

Acompanhe o passo a passo para a realização do procedimento:

1-      Lave muito bem as mãos

2-      Coloque a solução antisséptica e desidratante em um recipiente que possibilite embeber todo o umbigo.

3-      imerja o cordão umbilical até a sua base na solução durante aproximadamente 30 segundos

4-      Troque a solução para cada bezerro, evitando vias de contaminação de um animal para outro.

cura do umbigo de bezerros

Uma boa opção de solução para a cura do umbigo é o iodo diluído a 10% em álcool, sendo recomendado uma frequência de 2 vezes por dia, até o dia em que ele esteja completamente seco se solte do abdômen.

Quanto ao corte do umbigo, só é um procedimento recomendado em casos em que ele esteja muito comprido (acima de 15 cm).

Caso haja necessidade de cortar, utilize uma tesoura limpa e desinfetada e deixe o umbigo com 8 a 10 cm de comprimento (aproximadamente de 4 a 5 dedos).

Pesagem

Para a manutenção e formação de um banco de dados da fazenda que seja confiável, é importante que se faça a pesagem dos novos animais.

Utilize uma balança com boa precisão para pesar os bezerros regularmente, dando atenção especial ao nascimento e à desmama.

Aleitamento das bezerras

Para a alimentação adequada das bezerras, atendendo todas as suas necessidades nutricionais, um alimento que essencial para os filhotes é o leite.

A quantidade de leite a ser fornecida deve ser de 6 litros por dia.

É muito comum que o leite de descarte de vacas com mastite ou com resíduos de remédio sejam oferecidos às bezerras. Isto não deve ser feito, pois apresenta um grande risco à saúde dos animais.

O aleitamento pode ocorrer de duas formas: natural e artificial.

Alguns pontos devem ser avaliados para a escolha da melhor forma de aleitamento na fazenda:

1-      A descida ou não do leite sem a presença das bezerras;

2-      A produção média diária de leite, por vaca;

3-      O grau de esclarecimento das pessoas que tratam as bezerras para entender e acreditar na importância da higiene durante o aleitamento.

Aleitamento natural de bezerros

aleitamento natural

Neste sistema, o filhote mama diretamente de sua mãe, podendo ser controlado ou não.

Normalmente, o aleitamento natural é adotado quando as vacas não são capazes de manter a lactação sem a presença do bezerro (condição comum em rebanhos zebuínos puros ou cruzados e de raças de dupla aptidão) e a produção média diária de leite, por vaca, é inferior a 8 kg.

Um desafio deste tipo de aleitamento é a dificuldade em controlar a quantidade de leite ingerida pela bezerra.

Isso justifica a necessidade de monitorar constantemente o peso e a condição corporal dos animais, garantindo que os bezerros estão ingerindo a quantidade adequada de leite.

Aleitamento artificial de bezerros

aleitamento artificial vacas

Neste caso, o filhote é separado de sua mãe e o aleitamento é feito com a utilização de baldes e mamadeiras.

Este tipo de aleitamento é comum em rebanhos puros ou com alto grau de sangue de raças especializadas para leite, pois estas vacas tem maior facilidade de 'descer o leite' sem a presença das bezerras.

Outros pontos importantes são que produção média diária de leite, por vaca, seja igual ou superior a 8 kg e que tenha um cuidado especial ao escolher a pessoa que trata dos bezerros, pois é necessário que seja alguém que se preocupe com a limpeza dos baldes e demais utensílios.

É observado que neste tipo de aleitamento há menor incidência de doenças, dá maior noção da quantidade de leite fornecido e possibilita mais higiene na ordenha.

Higienização de bicos, mamadeiras, sondas e baldes

  1. Lavar com água morna 32 º C
  2. Em seguida mergulhe os bicos, mamadeiras sondas, baldes em uma solução detergente alcalina clorada (pH 11 a 12) acima de 60º C, por 30 minutos.
  3. Lavar todos os utensílios com escovas, mantendo a temperatura entre 60 a 62º C.
  4. Enxague com água morna (38º C) com 50 ppm de dióxido de cloro.
  5. Secar os utensílios.
  6. Duas horas antes de usar borrifar solução de 50 ppm de dióxido de cloro.
  7. Duas vezes por semana lave os utensílios com detergente ácido (pH 3-4).

Desmame de bezerros

O processo de desmama, ou desaleitamento, é um momento que requer um manejo muito delicado para evitar o estresse para o bezerro leiteiro.

Quando o peso do animal ao nascer é dobrado, é chegado o momento de desaleitar.

Caso isso ocorra antes dos 60 dias, é um bom indicativo de que as práticas da fazenda estão dando certo, mas se dobrar depois de 60, deve-se pensar em melhorias para o sistema, pois está muito tardio.

O estresse causado por este processo pode ter como consequência a perda de apetite, de peso e maior risco de contrair doenças e parasitas.

Para evitar que isso aconteça, algumas boas práticas de manejo são recomendadas:

  • Não mude o bezerro de instalação até a segunda semana pós desmama
  • Faça uma desmama progressiva, ou seja, reduza a oferta de leite gradativamente
  • Não faça a desmama com outras práticas de manejo, como vacinação e descorna.

quantidade de leite oferecido ao bezerro

Quantidade de leite a ser oferecida aos bezerros em aleitamento artificial do nascimento a desmama, tendo como referência um bezerro de 40 kg de peso vivo ao nascimento.

Fonte: Funep

O trabalho de consultoria da Prodap pode te ajudar com as melhores práticas de manejo do seu rebanho, deixe sua mensagem aqui e saiba como!

Para ter mais dicas como essa, nos siga nas redes sociais e se inscreva no nosso canal do telegram!

 

Sobre Aline Bernardes

Graduanda em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Minas Gerais. Atua como estagiária na geração de conteúdo da cadeia do leite. Acredita que a tecnologia e o conhecimento são fatores-chave para transformar a pecuária no mundo.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter