]

05 Erros muito comuns no controle de rebanho bovino

O simples fato de coletar dados não garante ter uma visão clara e real dos resultados. Neste contexto vemos que é bem comum alguns erros que podem resultar em tomadas de decisões erradas quando se trata de controle de rebanho
por Lucas Pereira em 04/Jun/2020

Em análise histórica da pecuária, o estoque de rebanho era um ativo de grande valor, ou seja, apenas pelo fato de se ter o boi na fazenda, mesmo com baixo desempenho produtivo, a pecuária se tornava um excelente negócio apenas com a valorização da @.

O que está bastante claro é que este cenário vem mudando, principalmente nas 2 últimas décadas, com redução das margens de resultado e também da área para produção da pecuária de corte.

De uns anos para cá a eficiência na produção começa a ser fator determinante no resultado do negócio e no futuro da pecuária, sendo necessária uma boa gestão para que os negócios sejam prósperos, aí entra o controle de rebanho bovino.

E para se ter a tão buscada eficiência, que em poucas palavras é: “fazer bem e mais, com menos”. Primeiro, precisamos de pessoas engajadas e alinhadas ao proposito do negócio, e segundo, controles para se ter números tomando medidas rápidas e assertivas de correção para saber se realmente o caminho seguido é o melhor para o negócio.

Neste contexto vemos que é bem comum alguns erros que pode resultar em tomadas de decisões erradas causando prejuízos ao negócio quando fazemos os controles do rebanho.

Ter dados e não ter informações

O simples fato de coletar dados não garante ter uma visão clara e real dos resultados. É bem comum ver uma infinidade de coleta de dados em vários aspectos, tanto financeiro quanto produtivo, e não serem processados e analisados, ou quando usados em alguma análise são feitas de forma aleatória, ou separadamente.

Para se evitar este erro, devemos trabalhar em três níveis. Primeiro o nível estratégico, onde é estabelecido um proposito para o negócio. Segundo, o nível tático, é neste nível que desdobramos a estratégia em metas financeiras. E o terceiro, no qual os controles de rebanho estão, é o nível operacional,  onde estabelecemos as metas produtivas estando sempre aliadas aos resultados financeiros (receitas e despesas).

Abaixo um exemplo de dados levantados gerando informação para tomada de decisão.

Em um sistema de engorda a pasto com ração devemos saber os ganhos de peso em diferentes épocas do ano. Esta informação nos permite estabelecer quando direcionar os investimentos em suplementação, conforme a tabela baixo:

investimento em sal de bovinos a pasto

Parâmetros de comparação ou meta de resultado

Quando trabalhamos os controles do rebanho sobre o qual temos dados, mas não temos um parâmetro de comparação ou uma meta pré-estabelecida que nos permite saber se aquele resultado é realmente bom para o negócio, perde-se todo o sentido de fazer medições. 

Isso porque toda coleta de informação precisa ter um objetivo a ser atingido, uma meta ou métrica que determine se o que se está analisando está dando resultado, ou não.

No caso da pecuária, o mais indicado sempre é se trabalhar com estabelecimento de metas de produção que estejam alinhadas ao resultado financeiro como visto no primeiro item.

Por outro lado, no caso de se optar um parâmetro como comparativo é importante buscar informações que condizem com seu negócio, tendo como referência a região em que a fazenda esta localizada, tamanho do negócio, sistema de produção, entre outros que exemplificam a realidade.

Falta de alinhamento de quem coleta os dados e que irá processar e analisar a informação

A equipe é um pilar fundamental de qualquer negócio, e para que os resultados sejam alcançados é imprescindível um bom alinhamento entre todos os setores.

Em situação normal, o fluxo da informação de controle do rebanho segue da coleta dos dados, geralmente feita pelo vaqueiro, que envia estes dados para um escritório, onde outra pessoa consolida e gera a informação para análise.

O que vemos na grande maioria é a pessoa que coleta o dado, não tem a informação do que está ocorrendo que pode gerar uma frustração por não estar ciente do motivo de estar fazendo aquele trabalho.

Em alguns casos isso pode ocasionar o levantamento de dados errados trazendo um problema em cadeia, que culmina no dono ou gestor decidindo de forma errada e prejudicando o negócio.

Para que tenhamos uma equipe alinhada e engajada, devemos sempre compartilhar os resultados. Esses podem ser feitos através de reuniões de check de metas da operação tendo como foco os resultados ocorridos, exposição dos fechamentos em quadros de gestão a vista ou até mesmo por grupos de WhatsApp, que são muito comuns hoje em dia nas fazendas.

Segurança de informação

A segurança de informação é um ponto bastante negligenciado dentro da pecuária, uma vez que, na maioria das vezes, não fazemos backup dos dados coletados, seja em nuvem, pendrives ou drives externos.

Nestes casos temos como principais vilões de perda de informação a queima de equipamentos com ocorrência de descargas elétricas ou por motivo de roubos.

Assim hoje temos varias formas de se fazer estes backups, tendo HD externo ou pendrive, aparelhos servidores, ou salvamento em nuvens e que em alguns casos são sem custo. Vale ressaltar que além de fazer o salvamento dos controles devemos ter uma periodicidade para esta rotina (de preferência diariamente).

Rotina de coleta de dados

Para finalizar o 5º erro que trouxe está relacionado à rotina. Falamos na introdução sobre as mudanças do setor em décadas, porem temos variações diárias na fazenda que se não forem acompanhados podem gerar perdas significativas ou gastos que não eram programados.

Neste caso, cada dado a ser coletado devemos estabelecer a periodicidade de coleta e geração da informação. O exemplo claro da necessidade de uma rotina de coleta, são as informações manejo de pastagem, onde é necessário o acompanhamento da altura da forrageira para saber quando mudar o lote de pasto.

Esta informação permite garantir o fornecimento adequado de capim, garantindo o desempenho dos animais e evitando a degradação da pastagem com necessidade de reforma.

Em algumas situações essa falta de informação pode chegar a redução de mais de 1@ de ganho anual e gasto de mais R$1.200,00 / ha com a reforma da pastagem.

Frente a revolução que vem ocorrendo na pecuária com mudanças rápidas e de grande impacto, temos como principal desafio a agilidade na tomada decisão.

Para isto a geração de informação no controle do rebanho deve ser bem estabelecida (metas ligadas ao resultado), alinhada (engajamento da equipe), ágeis e confiáveis (uso de tecnologia da coleta ao processamento), sendo a Prodap uma empresa pioneira e referência quando falamos em controle de dados e tecnologia na pecuária.

Com o PRODAP views master fica fácil ver e agir, ser assertivo ou corrigir as decisões a tempo de atuar como médico, para a saúde e o bom desempenho de um dos seus maiores patrimônios: o seu gado!

Entre em contato conosco para conhecer mais do Prodap views e fazer uma demostração! É só deixar sua mensagem clicando aqui

Sobre Lucas Pereira

Graduado em Zootecnia pelo IFMG - Campus Bambuí. Entrei para o time da PRODAP em novembro de 2014 e atuo como Consultor de Sucesso do Cliente. Apaixonado pela pecuária de corte e focado na transformação das pessoas e do negócio dos nossos clientes através de conhecimento e tecnologia.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter