Febre aftosa: O que é e por que é importante vacinar o seu rebanho?

A Febre aftosa é uma doença infectocontagiosa que causa grandes prejuízos para a pecuária. Entenda o que é, como ocorre a transmissão dessa doença e por que é importante vacinar o seu rebanho!
por Sâmara Paz em 09/Apr/2021

Conhecida no Brasil desde a década de 1970 pelos produtores da pecuária, a febre aftosa é uma doença que está relacionada à determinação de medidas de resolução extremas desde a suspeita até a confirmação do diagnóstico.

Veja a seguir, o que é febre aftosa e a importância da vacinação!

vacinação aftosa

O que é febre aftosa?

A febre aftosa, nada mais é, do que uma doença infectocontagiosa aguda ou subaguda, causada pelo vírus da família Picornaviridae do gênero Aphthovirus. 

Este vírus acomete não só bovinos, mas também suínos, ovinos, bubalinos e outros mamíferos de casco fendido (bipartido), sendo altamente contagiosa em animais suscetíveis.

O vírus da febre aftosa possui diferenciações e são classificados em sete subtipos, que produzem sinais clínicos similares e só podem ser identificados em laboratório. São eles:

  • A, O e C: São os subtipos mais comuns distribuídos em todos os continentes e os únicos que foram identificados no Brasil;
  • SAT-1, SAT-2 e SAT-3: Identificados inicialmente na África do Sul e disseminado em outros continentes, com exceção do continente americano;
  • Ásia-1: Encontrado inicialmente no continente asiático, esse subtipo foi responsável pelo surto que ocorreu no Reino Unido, de 1996 a 2000 e dizimou quase 60% da população de bovinos

Veja também: O que é brucelose bovina, quais são os sintomas e como testar!

Como acontece a transmissão da febre aftosa?

A transmissão acontece quando há o contato com o vírus expelido pelo animal infectado ou em período de incubação, no ar expirado, saliva, fezes e urina, leite e sêmen e carne infectados com as mucosas das vias digestivas ou vias respiratórias do animal suscetível.

Essa transmissão pode ocorrer de diferentes formas:

  • Contato direto ou indireto - animal infectado para animal vulnerável, através da ingestão de água e alimentos contaminados e também através de gotículas expelidos pelos animais doentes (cada bovino pode transmitir cerca de cem trilhões de partículas virais);
  • Veículos animados (humanos) e inanimados (veículos e objetos);
  • Vírus aerotransportado (até 60 km sobre a terra e 300 km sobre o mar)

O vírus, dependendo das condições climáticas, pode sobreviver em materiais contaminados e no ambiente durante muito tempo, o que pode acarretar em uma transmissão muito maior, aumentando os prejuízos não somente para o produtor, mas para os demais locais ao redor da zona contaminada.

tabela de sobrevivência do vírus causador da febre aftosa

Quais são os sinais clínicos?

Os primeiros sinais da patologia, acontecem entre 02 a 14 dias do contato com o vírus.

Inicialmente silenciosa, a doença causa febre (39,5 a 40,6ºC) nos bovinos, seguido pelo aparecimento de:

  • Formação de vesículas (aftas), que estouram causando erosões e úlceras, na região da língua, gengiva, comissura labial, palato mole, narinas, focinho, espaço interdigital, coroa do casco e epitélio mamário;
  • Redução da produção de leite;
  • Salivação excessiva por ptialismo;
  • Descarga nasal serosa incolor;
  • Claudicação (manqueira);

febre aftosa

E desencadeia algumas complicações, como:

  • Apatia;
  • Dificuldade de locomoção e ficar de pé;
  • Deformação dos cascos
  • Falta de apetite, por causa das lesões dolorosas na boca e língua;
  • Perda de peso permanente;
  • Infecções secundárias;
  • Mastites;
  • Abortos;
  • Diminuição permanente da produção de leite;
  • Doença cardíaca (miocardite) e morte, em animais muito jovens.

patogenia da febre aftosa

Observação: Os sintomas podem ser confundidos com outras doenças como a estomatite vesicular e língua azul, por isso, é necessário estar atento e após a confirmação da suspeita, notificar a Inspetoria da sua cidade, para que sejam feitos os exames específicos, realizados nas redes de laboratórios oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Como proceder após a confirmação da febre aftosa em bovinos?

Os animais infectados, começam a recuperar após 15 dias, mas a recuperação da perda de peso é lenta, a produção leiteira raramente é recuperada e as taxas de concepção tendem a ser menores.

 Saiba mais: Como analisar todos os fatores que interferem na taxa de concepção em um só lugar?

É importante ressaltar que os animais podem continuar portadores dos vírus por um período de 06 meses a 03 anos.

Entretanto, não há possibilidade de tratamento, todos os animais acometidos (infectados e recuperados) e suscetíveis que entraram em contato com com indivíduos infectados, devem ser sacrificados.

Além disso, os cadáveres devem ser destruídos, juntamente com os objetos e produtos dos animais na zona infectada.

Deverá também, ser feita a desinfecção dos locais e de todo material contaminado (artefatos, veículos, roupas, etc), acompanhado de medidas de quarentena.

Afinal, por que é importante vacinar?

Essa doença possui potencial de afetar rapidamente todo o rebanho.

Em aproximadamente uma semana ou menos e provoca grandes perdas econômicas para o produtor, tendo em vista barreiras sanitárias aplicadas pelos importadores de carne, custos públicos e privados de prevenção, controle e erradicação e indenização quando necessário o sacrifício dos animais.

Além disso, a febre aftosa provoca queda na produtividade e perda de mercados, pois impede a comercialização local e internacional dos animais e seus produtos/subprodutos.

A vacina contra a febre aftosa é utilizada para desenvolver imunidade no rebanho e para dificultar a propagação do vírus no ambiente, fazendo dessa forma com que haja maior controle da doença, diminuindo o impacto negativo e consequências sociais e financeiras que a doença traz para o produtor, mantendo a valorização do gado.

Assim como nenhuma vacina não impede a entrada do vírus, a vacinação contra a febre aftosa, não funciona como barreira na zona livre, mas como uma medida de controle da doença e deve ocorrer em todas as propriedades nos períodos estabelecidos.

Outra forma de prevenir é adotar boas práticas conforme o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa.

Com o Prodap Smartmilk, o software de gestão de fazendas leiteiras, é muito mais fácil e rápido fazer o controle sanitário do seu rebanho! 

Nos mande uma mensagem e saiba mais sobre como o Smartmilk pode te ajudar a tornar a produção de leite mais rentável!

Sobre Sâmara Paz

Publicitária, especialista em marketing, se envereda todos os dias no planejamento, mas seu coração bate forte pelas palavras. Pessoa reticente que é, não ficou satisfeita com a redação publicitária. Escreve o que sente, pensa e todo o necessário. Vende avião subindo, sorriso e satisfação. Fala de amor, estratégia, marketing e, aqui, pecuária de corte.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter