]

[PRODAP na Mídia] Revolução digital vai transformar o patamar de resultado da pecuária

Pós-graduado pela Harvard Business School Leonardo Sá, CEO da empresa de consultoria e nutrição para pecuária de corte Prodap, revelou quais são os três pontos cruciais para um início de processo de gestão de uma fazenda.
por Parceiros PRODAP - 04/12

Matéria Originalmente Publicada na plataforma Giro do Boi

Revolução digital vai transformar o patamar de resultado da pecuária

Nesta quinta, dia 28, em entrevista ao Giro do Boi, o médico veterinário pós-graduado pela Harvard Business School Leonardo Sá, CEO da empresa de consultoria e nutrição para pecuária de corte Prodap, explicou como acredita que a democratização do acesso à internet nas fazendas deverá impactar o potencial de produção da atividade. “Esse boom de internet, de acessibilidade nas fazendas, está permitindo que a pecuária agora comece a viver o processo de transformação digital”, destacou.

“A revolução digital chegou na pecuária para ficar e com certeza vai transformar o que a gente entende como patamar de resultado da atividade”, sustentou o executivo. Para Sá, o acesso às tecnologias empodera mais pessoas dentro da fazenda e as torna aptas a tomar decisões que podem melhorar o resultado das propriedades.

Entre as ferramentas disponibilizadas pela própria Prodap que contribuem para esta evolução está a automação da coleta de dados em confinamento, que informa o quanto cada animal de cada piquete está recebendo de alimento e ajusta conforme a necessidade real. O software pode indicar desvios no carregamento do vagão e alertar o gestor para a tomada de decisão. “Hoje a gente já tem uma ferramenta analítica, por exemplo, que é uma tela que o supervisor do confinamento consegue, de frente a frente com cada curral, com os animais, tomar a decisão de ajuste de trato, tomar a melhor decisão de qual quantidade de alimento eu vou fornecer para estes animais”, explicou. Os dados coletados pela ferramenta seguem para um tablet, por exemplo, são repassados para a nuvem e chegam até a balança do caminhão que passará pelas baias.

Um dos fatores limitantes do desempenho do confinamento é a leitura de cocho, uma tarefa que precisa ser realizada muitas vezes em horários específicos em meio à madrugada e por pessoas bem capacitadas para fazer a análise que é subjetiva. Mas de acordo com o veterinário o processo deve se tornar mais preciso com o uso de câmeras 3D, que medem a quantidade de ração que sobrou no cocho e também indicam os ajustes a serem feitos.

Para quem trabalha com cria, por exemplo, um dos sistemas oferecidos pela companhia automatiza a coleta de dados sobre nascimentos, manejo de pasto, qualidade de água, manejo sanitário, mineralização e até qualidade da cerca.

“Para ter ideia do potencial dos dados que estão surgindo, um cliente top 5 nosso performa cerca de 8,5 arrobas por cabeça ao ano. Já era um nível de performance alto, sem ração, com suplementação básica a pasto (a média nacional, segundo Leonardo, gira em torno de 4@/cabeça/ano). E nesta fazenda o dono está presente, algo importante, ele vive da atividade, e após colocar o Views (nome comercial do sistema) ele descobriu que ele tinha 50% dos cochos de nutrição mineral da fazenda com incidência de vazio. Ou seja, é algo que para nós é básico, mas se a gente não tem esse dado, se isso não é medido, passa despercebido. A culpa é do processo logístico da fazenda. Mas em dois meses isso foi solucionado e caiu para próximo de zero. Você vê, é um produtor que já tinha uma performance alta ainda tem muito para melhorar! Agora a gente precisa que essa microgestão do dia a dia tenha coleta de dados para que a tomada de decisão aconteça”, exemplificou Leonardo Sá.

Saiba qual é o tripé da gestão de uma fazenda de pecuária de corte

“Primeiro é a base de números porque sem entender o que está acontecendo, você não consegue melhorar. Ou seja, o sistema de informação e tecnologia vem para poder gerar estes números, para que a tomada de decisão aconteça, para que seja possível estabelecer metas de melhoria e, assim, buscar estas metas. Isto é o primordial, é o alicerce. Segundo acho que é pessoas. Sem pessoas qualificadas, sem time engajado, é impossível a gente chegar no resultado. E aí eu acho que falando sobre pessoas, é claro, tem cultura atrelada. A cultura, eu falo que é o cimento que cola tudo, que vai fazer com que estas pessoas estejam engajadas, motivadas para que a empresa performe e chegue no patamar de resultados diferenciado”, resumiu Sá.

De acordo com o especialista, o sucesso da fazenda passa mais pela dedicação à gestão do que por características de fertilidade de solo ou de clima favorável da região em que está. “(O sucesso) Não está ligado só à fertilidade de solo, ao clima da propriedade, mas isto está ligado com certeza a fatores de gestão, cultura e como é trabalhada a questão da filosofia do negócio como um todo”, valorizou.

Sobre Parceiros PRODAP

Publicações da PRODAP em diversas mídias.

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter