]

Relação de troca entre a arroba e o milho, como interpretar e agir

Esse indicador é obtido pela divisão do valor da arroba do boi pelo preço do milho entenda como interpretar esse indicador de acordo com a conjuntura e sua realidade de mercado:
por Walter Patrizi em 14/Sep/2020

Eu não sei você é daquele que gosta de acompanhar o mercado da pecuária, daquele que gosta de buscar padrões das análises técnicas ou os porquês da análises fundamentalistas. Independente do seu perfil, acho provável que já tenha ouvido falar na relação de troca entre a arroba do boi e o milho.  

Esse realmente é um conceito muito inteligente de monitoramento para quem tem modelos de produção mais intensivos, ou seja, produção de arrobas de carne com uso de concentrados.

Mesmo que não se faça uso do milho em específico na dieta, ele ainda sim representa o balizador mestre para as demais fontes de alimentos energéticos da dieta, cuja a categoria representa o maior custo [normalmente] dentre todos os ingredientes.

Meu objetivo aqui não é falar sobre como tem sido o comportamento histórico e nem quais são as perspectivas desse indicador, existem ótimas fontes para isso. O que eu quero é te provocar para interpretar esse indicador de acordo com a conjuntura e sua realidade de mercado.

 relação de troca entre a arroba e o milho

Como funcionava a relação de troca entre a arroba e o milho?

Vamos lá, esse indicador é obtido pela divisão do valor da arroba do boi pelo preço do milho. Há muito tempo, se utilizou um número mágico para interpretar essa relação nas diferentes realidades e esse número mágico era o QUATRO (4!).

Ou seja, quando a relação estivesse abaixo de 4 (preço do milho alto e/ou preço da arroba baixo), a expectativa de uma operação de engorda intensiva começava a gerar insegurança ao investidor/pecuarista, onde ele percebia baixo retorno para os riscos envolvidos. 

Por exemplo, uma operação de confinamento com a arroba valendo R$ 150,00 e a saca do milho valendo R$ 37,5, (150/4 = 37,5), ou seja, relação 4:1, daria muito frio na barriga para fechar os bois na engorda, já que o resultado esperado era próximo ao zero-a-zero. Entendeu?

Mas em 2020 os preços da arroba mudaram de patamar (e do milho também!) e aqui eu chego onde queria. Muitos ainda estão presos a esse número mágico (4!), mas a realidade mudou....

O número da nova relação de troca...

boi gordo confinado

Com a arroba valendo R$ 240, se você confinar com um milho de R$ 60,00/saca (240/4 = 60) você teria um lucro ao redor de 1,5@/boi, algo em torno de R$ 360,00/cab (1,6% a.m). Nada mal, não é mesmo? Um cenário bem diferente mesmo considerando o aumento concomitante das demais matérias-primas.

Neste novo patamar de preço da arroba, o número mágico sumiu! Hoje o divisor de águas da relação entre o preço da arroba e do milho é 3 e não 4. Assim, chamo a atenção aqui para que você tome bastante cuidado ao adotar padrões e números mágicos. Eles são bons, eles nos ajudam realmente, mas cuidado. Afinal, 'por vezes seu GPS precisa alterar a rota para lidar com uma nova realidade', e é isso que está acontecendo. Pense Nisso!

Todo o embasamento analítico deste texto foi realizado no Modelo de Formulação de Cenários da Prodap que conecta os aspectos financeiros, com o valor nutricional dos alimentos e a capacidade específica de resposta do bovino em terminação conforme caracteristicas do processo, do ambiente e do animal.

Esse Modelo de Formulação de Cenários é uma das bases para o trabalho que desempenhamos na Solução Total Prodap que atua unindo tecnologia, consultoria e nutrição personalizada para mudar o patamar de resultados em fazendas de todo o Brasil!

Conheça como funciona e mude os seus resultados também!

Sobre Walter Patrizi

Veterinário (UFMS) com mestrado em Nutrição de Ruminantes (UFMG), Executive MBA (FDC) e algumas pós-graduações em pecuária de corte e finanças.
 
Atua no mercado de pecuária de corte desde 2002. Atualmente, atua como Gerente de Negócios na Prodap. 

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter