Leite A2: O que é? Como descobrir se seu rebanho produz? Todos podem tomar?

Muito tem se falado sobre reações em humanos decorrentes do consumo de leite, como alergia às proteínas lácteas. Mas você já ouviu falar sobre o Leite A2? Saiba o que é, como saber se o seu rebanho produz este tipo e para quem ele é indicado!
por Cláudia Ribeiro em 09/Mar/2021

Atualmente, as reações causadas pelo consumo de leite têm sido pauta para diversas discussões.

Alergia às proteínas lácteas e a sensibilidade aos produtos lácteos podem gerar um certo desconforto gástrico após a ingestão do leite ou derivados.

Isso pode ser devido a caseína presente no leite! 

Porém, sabe-se que o leite é um alimento completo, rico em nutrientes essenciais à saúde humana. Mas você já ouviu falar sobre o leite A2?

Saiba mais: Veja quais são os principais componentes do leite de vaca

leite na jarra

O que é caseína?

O leite é a secreção da glândula mamária de mamíferos e é composto por água e sólidos.

Desses sólidos, temos as proteínas totais, gordura, lactose, minerais e vitaminas. As proteínas totais do leite podem variar em quantidade devido à dieta e raça dos animais.

Veja também: Como uma dieta mal balanceada influencia na composição do leite das vacas?

Essas proteínas que compõem o leite podem ser divididas em dois grupos:

  • As proteínas do soro que são a alfa lactobumina e a betalactoglobulina que correspondem em média a 20%.
  • E as proteínas do leite que são as caseínas: alfa s1, alfa s2, kappa e beta-caseína que correspondem a 80% das proteínas totais.

A betacaseína representa 30% das proteínas do leite e possui 13 variantes genéticas, porém as variantes A1 e A2 são as mais encontradas e estudadas em bovinos de leite.

Qual a diferença entre essas variantes da caseína?

O leite que contém a variante A1, ao sofrer hidrólise enzimática no processo digestivo, libera peptídeos ativos como a beta-casomorfina7 (BCM-7).

Este peptídeo está relacionado a efeitos adversos aos seres humanos, sendo considerada um fator oxidante predisponente ao desenvolvimento de alergia à proteína do leite e que causa sintomas, como gases e desconforto abdominal após o consumo de leite.

Essa variante A1 da caseína altera a digestão dessa molécula no trato gastrointestinal e exerce alguns efeitos sobre as contrações intestinais e a secreção de muco, o que pode gerar esse desconforto em alguns indivíduos após o consumo de leite ou derivados.

Em contrapartida, no leite contendo somente a variante A2, a hidrólise enzimática não ocorre ou ocorre em menor taxa e gera o peptídeo beta-casomorfina9 (BCM9) o qual não apresenta nenhum efeito clínico relacionado ao seu consumo, sendo assim, um leite naturalmente de 'mais fácil digestão'.

copo de leite

Mas o que é o leite é A2?

O leite A2 é produzido por vacas com genótipo a2a2 para a proteína do leite betacaseína 

Na década de 70, foi realizada a determinação da sequência de aminoácidos das 4 caseínas e feita a descoberta das variantes genéticas.

Acredita-se que toda a população bovina continha apenas o alelo A2 e que uma mutação tenha sido responsável pelo surgimento do alelo A1.

Sabe-se também que a população de bovinos de raças zebuínas, têm maior frequência alélica e fenotípica da variante A2.

Nos rebanhos de bovinos de leite, há três tipos possíveis de genótipos para a produção de caseína: as vacas A1A1, vacas A1A2 e vacas A2A2.

Os animais A1A1 produzem leite contendo somente a caseína A1. Animais A1A2 produzem os dois tipos de caseína. Já os animais A2A2 produzem somente a caseína A2A2.

leite a2Foto: Site laticínios Fiori

A produção dessas variantes da caseína está diretamente ligada à genética do animal, tanto das vacas como dos reprodutores.

Veja também: Saiba como escolher o melhor touro reprodutor na produção de leite!

Sendo assim, para saber qual a caseína presente no leite produzido, não é possível realizar um teste no leite e sim no animal, sendo necessário realizar sua genotipagem.

Quando pensamos no leite presente na prateleira do supermercado, temos um pouco de cada uma das caseínas, pois ele é proveniente de vários animais.

Porém, após essas descobertas das proteínas do leite, muito tem se falado sobre o leite produzido por fêmeas que têm a genotipagem A2A2 e os benefícios relacionados ao seu consumo.

Pessoas alérgicas à proteína do leite podem ingerir o leite tipo A2?

Em vários estudos o leite A2 é considerado hipoalergênico, ou seja, causa menos reações alérgicas.

Então o leite proveniente de vacas A2A2 é um produto que pode ser ingerido por indivíduos sensíveis à Beta-caseína A1 com maior segurança, evitando aparecimento de sinais clínicos referentes a seu consumo.

Porém, não podemos dizer que é um produto seguro para indivíduos alérgicos à proteína do leite, pois na maioria dos casos a APVL (Alergia à Proteína do Leite de Vaca) é causada pela β-lactoglobulina ou por mais de uma proteína.

Leite A2 no Brasil

No Brasil, já temos rebanhos A2A2 certificados, produzindo leite e derivados já disponíveis no mercado.

Além disso, vários produtores estão em processo de genotipagem do rebanho para descobrirem se seu rebanho produz o leite A2 e estão fazendo melhoramento genético, buscando animais com essa característica para produção de um leite com maior valor agregado.

É importante que as informações de genotipagem e quaisquer outras informações do rebanho sejam sempre bem registradas e armazenadas de forma segura para auxiliarem na tomada de decisões do produtor e técnicos.

Pensando nisso, o Smartmilk, o software de gestão mais completo e usado no Brasil, permite armazenar informações importantes sobre genealogia, acasalamentos além de todas as informações zootécnicas de suma importância pra fazenda.

Converse com um dos nossos especialistas e conheça o Prodap Smartmilk!

Sobre Cláudia Ribeiro

Formada em medicina veterinária pelo Uni bh e pós graduanda em Nutrição de bovinos pela Fazu. Atualmente, consultora do time leite apaixonada por vacas e por pessoas!

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter