Agentes da Transformação: Os talentos do campo - Flávia Figueiredo

A Prodap é feita de pessoas incríveis que estão revolucionando a pecuária! Para inspirar outras pessoas que acreditam nessa transformação, vamos contar a trajetória de grandes profissionais que nos ajudam a escrever a nossa história.
por Caroline Cabral em 10/Feb/2021

A Prodap é feita de pessoas incríveis que estão revolucionando a pecuária!

Para inspirar outras pessoas que acreditam nessa transformação, vamos contar a trajetória de grandes profissionais que nos ajudam a escrever a nossa história. Dessa vez, conversamos sobre a caminhada profissional da nossa Consultora de Pecuária, Flávia Figueiredo, que já integra o time Prodap há 3 anos.

Quem é a Flávia?

A Flávia de hoje é uma pessoa que tenta conciliar a vida profissional, com a pessoal, algo que acaba sendo difícil viu, por que eu gosto de trabalhar demais! (risos). Sou uma pessoa que busca evolução tanto profissional quanto pessoal de forma constante e gosto muito de perceber a melhoria. Hoje em dia, sou mais tranquila em relação a antigamente.

Sou filha de pai mineiro e mãe paulista. Os dois se conheceram em um carnaval, decidiram se casar e foram morar no norte de Minas. Minha família não poderia ser melhor, minha mãe é uma pessoa maravilhosa, uma mulher muito forte que me ensinou a correr atrás dos meus sonhos… Os meus principais hobbies são ler e jogar xadrez. 

Como foram os primeiros passos da sua carreira?

Fiz faculdade de Agronomia na UFMG, quando eu entrei no curso eu já tinha certeza de que queria ser engenheira agrônoma. No início, estava desesperada para ganhar dinheiro! Eu sempre fui muito boa aluna. Me dediquei muito, sempre fui muito curiosa e isso é uma característica que tenho até hoje.

Me formei e me perguntei: “O que eu vou fazer da vida?”. Descobri a oportunidade de ser Trainee e me interessei porque eu não sabia nada da parte prática, então tentei algumas seleções em grandes empresas e passei. 

A empresa em que fui aprovada tinha as unidades produtivas no Pará, então tive que me mudar. Assim que eu comecei a jornada da viagem, as portas se abriram, foi um período de muito aprendizado. Mas também um momento muito difícil, por ser uma região com muito conflito de terras, problemas agrários, foi um choque cultural muito grande para mim e também uma grande responsabilidade. 

Apesar das pessoas maravilhosas que eu conheci, ainda existia a saudade de casa… Foi nesse momento que eu conheci a Prodap. Uma pessoa da Prodap me chamou dizendo que havia um monte de vagas, me aconselhando a tentar. Acabei passando e sou muito feliz por ter aceitado. 

Acredito que precisamos ter mais mulheres no campo, e eu gostei muito disso, dessa luta de ser uma mulher na parte operacional e provar que eu conseguia. 

Quando comecei a ter esses questionamentos em relação ao meu trabalho, acabei mudando sem querer, me tornando menos vaidosa porque a nossa feminilidade é questionada. Foi um processo de amadurecimento. Os nãos, as dúvidas sobre a minha capacidade marcaram muito minha carreira, mas eu nunca desisti.

Quais foram os maiores desafios da sua carreira e o que eles te ensinaram?

Eu tinha conhecimento que precisava melhorar algumas coisas, mas não tinha apoio para fazer essa melhoria acontecer. O apoio que eu precisava para eu conciliar essa vida pessoal e profissional veio muito forte aqui na Prodap! 

Quando eu entrei na Prodap, eu vi que tinha um mundo um pouco diferente do que eu estava acostumada, apesar de não existirem tantas mulheres no campo, nenhuma liderança nunca duvidou da minha capacidade. Hoje, posso falar de boca cheia que eu tenho a confiança dos clientes que eu atendo. Eu posso usar todos os brincos que eu tenho, não tenho problema com minhas tatuagens, coisas que antigamente eu tinha uma preocupação em esconder.

Eu posso ser a Flávia, brincar, falar de tudo e não ter problema por causa da empresa. E isso foi uma outra mudança de chave na minha vida. 

Eu vivi uma situação machista há um tempo e fiquei emocionada com a postura do meu líder. O líder acreditar no seu time, ver a sua dor e acreditar em você. Penso que é por isso que existem poucas mulheres que atuam no campo, porque algumas lideranças de outras empresas não costumam acreditar e apoiar dessa forma.

Quais são suas dicas para quem está começando no agro hoje?

É encarar o desafio! Não ter medo… Falando para as mulheres, é não deixar que a quantidade de nãos ou a sociedade impeça de fazer o que você quer. 

Para quem está começando em consultoria… É  usar o benefício do início de carreira, você não tem a obrigação de saber tudo de primeira, ninguém tem! Seja  curioso(a), pergunte sempre… Você vai aprender. Se joga! Encare essa profissão como aprendizado, tanto profissional quanto pessoal, você vai lidar com pessoas diferentes, de várias faixas etárias, de vários lugares... isso traz uma empatia muito grande. E para as meninas, você pode querer ter família, se formar e daqui uns anos querer casar e ainda assim ser consultora de campo! Qual o problema? Depois você pode decidir ficar no escritório e também não há problema. É só não se amedrontar e não deixar alguém definir o que é melhor para você!

Qual a sua visão da pecuária do futuro?

Acho que estamos caminhando para a tecnologia dentro da pecuária. A pecuária vem se modernizando, tecnificando, e quando eu falo de tecnologia, não falo apenas do uso de software na propriedade, mas também de aumento da produtividade, uso de forrageiras mais produtivas, pastos com mangue de cultura e sustentabilidade.

Quando a gente pensa em tecnologia, é realmente aplicativo, celular, drone, não tem mais como trabalhar sem esse tipo de presença no campo. Estamos em um momento em que a produção tem que ser cada vez mais rápida, e aí que a tecnologia entra. Um dos meus professores falava: “sua terra um dia será adubada, por alguém ou por você”. E nisso entra a questão da tecnologia também,  quem não conseguir entrar e acompanhar estará fora, o mercado irá excluir. 

 

No que você acha que seu trabalho hoje na Prodap contribui para o futuro?

Como consultora, eu potencializo a tecnologia, seja na interação no aplicativo, no monitoramento da fazenda a partir da coleta de informação e também na mudança de um manejo pensando em uma nova tecnologia. Os três pilares da Prodap (tecnologia, agilidade e experiência do cliente) são pilares totalmente tecnológicos e  isso está bem voltado para o futuro em que eu acredito; aumentar a produtividade em uma mesma área, desenvolver as pessoas e possibilitar a tomada de decisões mais rápidas e assertivas. 

Quer conhecer um pouco mais sobre o trabalho da Flávia na Prodap? Então dá uma conferida nos materiais que separamos: 

Nutrição de Precisão: O que é? Como fazer e por que é importante?

Gado confinado: 5 modelos de manejo de cocho para obter mais resultados

ProdapCast #5 - Mulheres do Agro!

Quer fazer parte desse time? Então não se esqueça de dar uma passadinha em nossa página de carreiras e se cadastrar no pop up para receber nossos conteúdos e vagas!

Vem Ser Prodap!

 

Sobre Caroline Cabral

Psicóloga atuando como HR Planning com foco na gestão da marca empregadora Prodap. Cuidando de experiências para encantar pessoas!

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar

Fique por dentro das nossas novidades

Inscreva-se em nossa newsletter